Tudo que você precisa saber para ter uma vida mais  leve e feliz! 

Buscar no Blog

O Valor da Análise e da sua Saúde Mental

28/05/2019

Consideradas as doenças do século, Ansiedade, Depressão e Abuso de Substancias Psicoativas (como álcool e crack) respondem por mais de um terço de todas as doenças e transtornos incapacitantes no que diz respeito aos países da América Latina, segundo relatório de 2018 da Organização Mundial de Saúde (OMS). Estimativas da OMS apontam para o crescente aumento desse número. A depressão e o abuso de substâncias são consideradas as principais causas de morte por suicídio no mundo. Estima-se que a depressão seja a causa de cerca de 800 mil mortes por suicídio por ano.  A OMS preconiza que a maior parte dos recursos em Saúde Mental sejam alocados na atenção primária, onde se poderia agir com mais eficiência no tratamento desses três transtornos que lideram o ranking das doenças incapacitantes, uma vez que as pessoas nessas condições não necessitam de internação psiquiátrica e tampouco são acolhidas nessa modalidade de atenção.

O relatório, além de reconhecer a saúde mental como prioridade global para o desenvolvimento da saúde publica, também aponta para sua importância para o desenvolvimento econômico, uma vez que impacta no setor produtivo de um país. Infelizmente, a Saúde Mental é o campo mais negligenciado na Saúde Pública no mundo. No Brasil, os gastos com Saúde Mental chegam a míseros 2,01% do orçamento total do SUS. É muito pouco! Como se não bastasse, o governo atual vem contrariando as indicações da OMS e mudando a política, investindo justamente na assistência hospitalar e nas internações, deixando de lado a assistência primária, o que torna ainda mais nefasta a perspectiva que podemos ter em relação à assistência pública em saúde mental no nosso país.

Resta, então, àquele que sofre e sente estar debilitado diante da vida, procurar ajuda por meio da rede particular: planos de saúde ou profissionais autônomos. No caso específico da psicologia, os planos de saúde cometem verdadeiros crimes junto a empresas que precarizam o trabalho dos profissionais das mais variadas formas, desde repassarem um valor baixíssimo pelos atendimentos realizados, até interferir na duração da sessão. Deste modo, é comum que apenas profissionais recém-formados aceitem o trabalho como forma de ganharem experiência clínica por conta da alta demanda, que gera, por consequência, um alto fluxo de pacientes, mesmo que os mesmos não fiquem por causa da baixa qualidade. Por conta da baixa remuneração, os profissionais recém-formados tendem a investir muito pouco no aprimoramento profissional, e seus desenvolvimentos se dão muito mais por tentativa e erro do que por um processo rigoroso de reflexão sobre a prática. Não estamos aqui dizendo que a baixa qualidade é culpa do profissional recém-formado. Entender desse modo é um erro, pois tira o foco do sistema perverso e culpabiliza a vítima. Quando esses profissionais se sentem mais seguros e capazes, iniciam o trabalho no próprio consultório, onde podem cobrar valores mais justos e garantir condições mínimas para a qualidade do atendimento de seus clientes. Um atendimento de qualidade via planos de saúde passa a ser como encontrar uma agulha no palheiro. Assim sendo, a procura por atendimento psicológico nos consultórios particulares passa a ser a única opção para quem não quer se aventurar.

Não raro, vemos o argumento de que psicoterapia é cara. E com semelhante frequência vemos as mesmas pessoas investindo o mesmo valor na troca de um carro (somente para ter um carro do ano, mesmo o antigo estando em perfeitas condições), ou numa cirurgia plástica, festas, restaurantes caros… A ideia aqui não é julgar a escolhas individuais, mas pontuar que tal afirmação tem a ver com valores, com prioridades na vida, e não com quantidade de dinheiro. Muitas vezes, as pessoas atribuem pouco valor para a psicoterapia, muito mais que falta de recursos para arcar com um tratamento de qualidade. Neste ponto vale, então, perguntar: quanto vale sua plena capacidade de amar, trabalhar e ser feliz na vida? Quanto vale para você estar em paz consigo mesmo, sem crises que lhe tiram o chão e impedem você de ter uma vida digna? Quanto vale para você retomar o gosto pela vida? Quanto vale para você sentir-se livre da dependência de substâncias para sentir algum prazer ou mesmo se anestesiar da vida? Quanto vale você olhar no espelho e sentir orgulho do que vê? Não estamos falando do corpo, mesmo este tendo lugar importante na autoestima. Estamos falando de gostar da pessoa que se tornou, da sua capacidade de enfrentar desafios e frustrações, da sua capacidade de amar sem medo, de ir em busca de seus desejos de maneira ética, responsável e confiante, do gosto de ser quem se é.

As pessoas ignoram que esse é o real ganho de um bom processo psicoterápico. Mas é isso que estamos “comprando” ao investirmos na psicoterapia. Uma pessoa só deixa de trocar seu carro para poder investir seu dinheiro em terapia se ela realmente confia que esse investimento lhe trará melhores benefícios que o outro. Neste ponto é necessário que nós, profissionais de psicologia, realizemos um trabalho educativo no sentido de mostrarmos o real valor de um bom processo psicoterápico. Por outro lado, somente se a pessoa realmente confiar que aquele analista em especial pode ajuda-la nesse percurso é que a “mágica” acontece. Para que um processo de análise seja realmente transformador, é necessário que o paciente esteja com os dois pés dentro, é necessário confiança no analista. Esse é o preço que se paga. Esse é o valor a ser mensurado por cada um. Se eu acho que a pessoa, para entender pelo que eu passo, tem que ser excepcional, cabe eu me perguntar quanto vale o trabalho de uma pessoa que eu considero excepcional.  Se ela deve ser “fora de série”, porque o valor pago a ela deve ser o ordinário? Se você realmente acompanhou meus questionamentos até aqui, de modo a realizar essas perguntas e tentar responde-las de modo sincero para você mesmo, seja bem vindo, sua análise já começou!

Dados retirados da ONU em: https://news.un.org/pt/story/2019/03/1662831
_________________________________________________________________________________________

OMS 2018 – Depressão 4,4% (mundo) 5,8 (Brasil) –  Maior parte entre 55 e 74 anos – Ansiedade 9,3% (Brasil)
Estima-se que a depressão seja a principal causa-morte em casos de suicídio (800 mil por ano)
Na América Latina e Caribe, os problemas de saúde mental, incluindo o uso de substâncias psicoativas, respondem por mais de um terço da incapacidade total na região. Desse percentual, os transtornos depressivos estão entre as maiores causas de incapacidade, com 7,8% do total.
Dados indicam que 60% dos quase 100 mil suicídios ocorreram entre pessoas de 15 a 50 anos de idade. Teriam sido perdidos ao todo 4.129.576 anos de vida, dos quais cerca de 75% somente por esse mesmo grupo etário.
A saúde mental é cada vez mais reconhecida como uma prioridade global de saúde e desenvolvimento econômico. O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 3, por exemplo, se refere explicitamente ao compromisso de alcançar uma cobertura universal de saúde que inclua “a saúde mental e o bem-estar”.


ronaldo coelho psicologo em sp

Ronaldo Coelho Psicólogo

Atendimento particular a adolescentes, adultos e idosos.
Graduado em Psicologia (USP) e Mestre em Psicologia Institucional (USP).
Continue lendo »

Ronaldo Lopes Coelho - Doctoralia.com.br

Assine Minha Newsletter!

Fique Tranquilo! Odiamos Spam Assim Como Você...
ronaldo coelho psicologo em sp

Copyright © 2019 Psicólogo Ronaldo Coelho CRP: 06/99491.
Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Izads Performance Digital